Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.      Telefone: (61) 9 9607-4647 

     

Final da Copa do Brasil definida

Os times que disputarão a final da Copa do Brasil em 2018 foram definidos na noite desta quarta-feira. Corinthians e Cruzeiro eliminaram Flamengo e Palmeiras, respectivamente, e farão os jogos decisivos.

No Mineirão, o Cruzeiro empatou em 1x1 e se aproveitou da vantagem construída no primeiro jogo da semifinal. Já em Itaquera, o Corinthians fez 2x1 com autoridade, mas tomou um susto com a bola na trave que o Flamengo colocou nos acréscimos. Um gol levaria a decisão para os pênaltis.

ELEIÇÕES TSE rejeita recurso de Lula para gravar vídeos da prisão

Por unanimidade, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou na noite desta quarta-feira (26) um recurso apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado no âmbito da Operação Lava Jato, para gravar áudios e vídeos para a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão.

Lula está preso desde abril na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, após ser condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no caso do tríplex do Guarujá.

 

Em 15 de setembro, o relator do caso, ministro Sérgio Banhos, rejeitou o pedido do petista. À época, Banhos alegou que o TSE não possui competência constitucional para tratar sobre execução de pena determinada pela Justiça Comum.

A defesa de Lula entrou com recurso para reverter a decisão de Banhos, que foi analisado pelo plenário do TSE na sessão plenária desta quarta-feira. No julgamento, Banhos reafirmou os fundamentos da decisão proferida monocraticamente (individualmente) semanas atrás.

"O ex-presidente está sujeito à segregação imposta pela Justiça comum considerando o entendimento firmado no âmbito do STF, desse modo, o que pretendem os recorrentes escapa à competência da Justiça Eleitoral. Escapa da Justiça Eleitoral alterar a situação prisional", disse Banhos.

O entendimento de Banhos foi seguido pelos demais ministros do TSE.

"Quem analisa a questão do regime e cumprimento de pena é o juízo de execução e não o eleitoral. Os condenados à pena privativa de liberdade devem respeito ao sistema penitenciário, sem regalia", afirmou o ministro Alexandre de Moraes.

MP processa Alckmin e pede suspensão de direitos políticos

Informação foi veiculada pelo site especializado em notícias jurídicas "Jota"; acusação seria por improbidade administrativa.


Ministério Público de São Paulo apresentou uma ação de improbidade administrativa contra o ex-governador do Estado e candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin, e pediu a suspensão dos direitos políticos do tucano, de acordo com o site especializado em notícias jurídicas "Jota".

Procurado, o Ministério Público não confirmou a informação. Mais cedo, o MP-SP convocou uma entrevista coletiva para a tarde desta quarta-feira para comentar o inquérito civil que investiga Alckmin por suspeita de atos de improbidade administrativa.

De acordo com o MP, "será a primeira e última vez" que o promotor de Justiça Ricardo Manuel Castro vai se manifestar sobre o caso, que está sob sigilo e se refere às campanhas de 2010 e 2014 de Alckmin ao governo do Estado de São Paulo.

O Jota publicou na íntegra a ação impetrada pelo MP-SP.

Alckmin é investigado por suspeita de improbidade administrativa no caso em que delatores ligados à Odebrecht apontaram o tucano como beneficiário de 10 milhões de reais em caixa dois eleitoral.

À época da abertura do inquérito, em abril, a assessoria de imprensa de Alckmin disse que o tucano via a decisão do MP paulista com tranquilidade "por ter total consciência da correção de seus atos" e que estava à disposição para esclarecimentos.

Procurada nesta quarta-feira, a assessoria de Alckmin não respondeu de imediato.

Por Paulo Mário Martins, Bom Dia Brasil  04/09/2018 07h42  Atualizado há 2 horas

Bombeiros encontram crânio em meio aos escombros do Museu Nacional

Crânio encontrado pode ser de Luzia, o fóssil humano mais antigo da América. Um grupo de especialistas vai analisar o material.

Os bombeiros que trabalham no que restou do prédio do Museu Nacional na manhã desta terça-feira (4) encontraram um crânio em meio aos escombros. Ele pode ser de Luzia, o fóssil humano mais antigo da América. Um grupo de especialistas vai analisar o material.

Um bombeiro que trabalhou no controle das chamas contou que tentou resgatar Luzia, mas acabou ferido. Ao se arriscar no museu em chamas, ele relatou o desespero ao abrir um armário e só encontrar um ferro "incandescente". Segundo ele, a alta temperatura do material derreteu a luva que o protegia do fogo e queimou seus dedos.

"Fizemos um esforço gigantesco e conseguimos nos aproximar e abrir o armário. Ao procurar Luzia, encontrei vazio e um ferro incandescente que derreteu minha luva e queimou meus dedos. Doeu, muito. Saí da sala e chorei. De dor? Não. De frustração," destacou o soldado Rafael Luz.


Reconstituição do fóssil de Luzia feita por computador (Foto: Reprodução/TV Globo) Reconstituição do fóssil de Luzia feita por computador (Foto: Reprodução/TV Globo)

Reconstituição do fóssil de Luzia feita por computador (Foto: Reprodução/TV Globo)

A chuva durante a madrugada desta terça-feira (4) ajudou a apagar alguns focos de incêndio. Ainda assim, alguns deles voltaram a aparecer por volta das 6h. Os agentes seguem de prontidão no local.

A Defesa Civil do Rio de Janeiro informou na segunda-feira (3) que o local está interditado. Técnicos do órgão identificaram que "existe um grande risco de desabamento, que pode ocorrer com a queda de trechos remanescentes de laje, parte do telhado que caiu e paredes divisórias do prédio". Na área externa, no entanto, a avaliação destaca que "devido à espessura das fachadas, não há risco iminente".

Mesmo assim, na parte externa "foram constatados problemas pontuais, como queda de revestimento, adornos e materiais decorativos (estátuas) fazendo com que a área de projeção das fachadas também permaneça isolada".

O Museu Nacional foi destruído por um incêndio na noite de domingo (2). A vice-diretora da instituição, Cristiana Serejo, afirmou que cerca de 10% do acervo não foi destruído após as chamas.

Serejo afirmou ainda que o detector de fumaça do museu não estava funcionando e que serão necessários, a princípio, R$ 15 milhões para a recuperação do museu.

“Houve o contingenciamento de um terço do valor de R$ 514 mil. Esse ano recebemos R$ 240 mil, o que é pouco”, afirmou Serejo, em frente ao Museu Nacional.