Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.      Telefone: (61) 9 9607-4647 

     
Por G1  30/07/2018 00h00  Atualizado há 8 horas

Fies 2018: resultados serão divulgados nesta segunda-feira São ofertadas 155 mil vagas de financiamento, sendo 50 mil com juro zero.

Os resultados do Financiamento Estudantil (Fies) do segundo semestre de 2018 saem nesta segunda-feira (30). Os nomes dos candidatos pré-selecionados serão divulgados no site do programa.

Nesta edição são ofertadas 155 mil vagas de financiamento, sendo 50 mil com juro zero.

Poderiam participar da seleção, estudantes que fizeram o Enem a partir da edição de 2010 e obtiveram média aritmética das notas nas provas igual ou superior a 450 (quatrocentos e cinquenta) pontos e nota na redação superior a 0 (zero).

Para concorrer pela modalidade de financiamento do Fies, é preciso ter renda familiar mensal bruta per capita de até três salários mínimos. Já na modalidade P-Fies (quando o agente financeiro é o banco), a renda familiar mensal bruta per capita deve ser de de três a cinco salários mínimos.

 

Modalidades do Fies

 

O novo Fies tem duas modalidades:

Fies: Candidatos cuja renda familiar per capita seja de até 3 salários mínimos. Nesse tipo de financiamento, o pagamento será feito com juros zero.

Caso o estudante se encaixe nessa faixa de renda, só poderá participar do P-Fies se não houver vaga para o curso desejado na primeira modalidade.

P-Fies: Candidatos cuja renda familiar per capita esteja entre 3 e 5 salários mínimos. Nessa modalidade, o financiamento é feito por condições definidas pelo agente financeiro operador de crédito (banco).

 

Teto de semestralidade

 

A seleção do segundo semestre terá o retorno do limite máximo do valor das mensalidades cobertas pelo fundo. Ele voltará a cobrir cursos com mensalidades de até R$ 7 mil, ou R$ 42 mil por semestre. No primeiro semestre, o limite era de R$ 30 mil, o que permitia que apenas cursos com mensalidade de até R$ 5 mil pudessem participar do financiamento.

Conhecido como "teto da semestralidade", esse limite de R$ 42 mil já existia no antigo modelo do Fies, mas foi reduzido no lançamento do Novo Fies, segundo ele, em nome da "sustentabilidade" do programa.

 

Cronograma do Fies

 

 

  • Resultado: 30 de julho
  • Complementação da inscrição: 30 de julho a 3 de agosto
  • Lista de espera (modalidade Fies): 4 a 24 de agosto
Por G1  30/07/2018 04h30  Atualizado há 3 horas

G1 lança Fato ou Fake, novo serviço de checagem de conteúdos suspeitos Seção vai identificar as mensagens que causam desconfiança e esclarecer o que é real e o que é falso. Apuração será feita em conjunto por jornalistas de G1, O Globo, Extra, Época, Valo

O G1 lança nesta segunda-feira (30) a seção Fato ou Fake. O objetivo é alertar os brasileiros sobre conteúdos duvidosos disseminados na internet ou pelo celular, esclarecendo o que é notícia (fato) e o que é falso (fake).

Jornalistas farão um monitoramento diário para identificar mensagens suspeitas muito compartilhadas nas redes sociais e por aplicativos como o WhatsApp. Participam da apuração equipes de G1, O Globo, Extra, Época, Valor, CBN, GloboNews e TV Globo.

Cada um desses veículos poderá publicar as checagens feitas em conjunto. Ao juntar forças entre as diversas redações, será possível verificar mais – e mais rápido. A atual editoria É ou não É, do G1, deixa de existir, para dar lugar ao Fato ou Fake.

Também haverá um "bot" (robô) no Facebook e no Twitter que responderá o que é falso ou verdadeiro, caso o assunto já tenha sido verificado pelos jornalistas da Globo. Além disso, por meio de um número de WhatsApp, usuários cadastrados poderão ver os links das checagens realizadas.

Especialistas afirmam que a disseminação de conteúdos falsos é um dos principais desafios a serem enfrentados hoje, pois ela prejudica a tomada de decisões e coloca em risco a democracia. O fenômeno da desinformação, inicialmente conhecido como das "fake news", foi visto em eleições nos Estados Unidos, no Reino Unido, na França, na Alemanha e, mais recentemente, no México.

A equipe do Fato ou Fake também irá checar discursos de políticos, conferindo selos às declarações (veja quais são ao final deste texto). O objetivo é confrontar as versões dadas como oficiais e impedir a difusão de rumores.

O trabalho do grupo – que não se resumirá ao período eleitoral – é destinado a apurar fatos comprováveis. Não serão abordadas opiniões nem dados lastreados em observações de tendências ou previsão de acontecimentos futuros.

 

A dúvida leva à verdade

 

O lançamento do projeto foi precedido por uma campanha de divulgação em TV, rádio e jornal com o mote "Duvide". Um dos vídeos de divulgação resume o espírito do projeto: "O bom jornalismo nasce da dúvida. Se aconteceu, é fato. Se é mentira, é fake. Só que hoje em dia é muito difícil separar o fato do fake. Saber se é inventado ou se aconteceu mesmo. É para isso que serve o jornalismo. Para conferir pra você. Se você tem dúvida, a gente confere. Se você não sabe se é verdade, a gente checa a fonte. Um bom jornalista não publica nada sem duvidar antes. Se não confere não é jornalismo. E conferindo a gente descobre o que de fato é fato e o que de fato é fake. Porque a dúvida leva à verdade. E a gente só trabalha com ela. Jornalismo é isso. A gente duvida. A gente confere. A gente informa. FATO OU FAKE. É jornalismo para o fake não virar news".

'Antes de compartilhar, duvide': vídeo da campanha de divulgação do projeto Fato ou Fake.

'Antes de compartilhar, duvide': vídeo da campanha de divulgação do projeto Fato ou Fake.

 

Metodologia

 

Os jornalistas irão monitorar as redes sociais por meio de um amplo leque de ferramentas e trocarão dados entre si sobre o resultado do monitoramento e das checagens. Leitores também poderão sugerir checagens.

Após a constatação de que uma mensagem tenha sido muito compartilhada nas redes sociais, os jornalistas irão investigar a fonte que deu origem a ela, se está fora de contexto ou é antiga e se as imagens apresentadas correspondem ao que é narrado.

Em seguida, serão ouvidas as pessoas citadas. A apuração segue com a manifestação de fontes oficiais, testemunhas e especialistas que possam ajudar a esclarecer o que está escrito ou dito na mensagem.

O principal critério de checagem é a transparência de informações, baseada em três pilares:

 

  • Transparência de fontes - o objetivo é que o leitor veja com clareza o caminho de apuração percorrido pelo jornalista. Para isso, todas as fontes consultadas durante a checagem estarão identificadas no texto, sejam elas pessoas ou instituições.
  • Transparência de metodologia - o processo de seleção da mensagem a ser checada, a apuração e a classificação da checagem são claras, deixando em destaque o que levou a informação a ser checada, como ocorreu a apuração e o motivo da classificação como fato ou fake.
  • Transparência de correções - caso haja alguma modificação na checagem que tenha comprometido a sua publicação original, essa alteração estará devidamente identificada na reportagem.

 

Os títulos das checagens publicadas serão sempre claros, já deixando em destaque se é verdadeira ou falsa. Os selos utilizados para classificar as mensagens também são destacados para evitar interpretações dúbias.

Os selos utilizados são:


Selo: Fato Selo: Fato

Selo: Fato

 

  • Fato - quando o conteúdo checado é totalmente verídico e comprovado por meio de dados, datas, locais, pessoas envolvidas, fontes oficiais e especialistas.

 


Selo: Não é bem assim Selo: Não é bem assim

Selo: Não é bem assim

 

  • Não é bem assim - quando é parcialmente verdadeiro, exagerado ou incompleto, exigindo um esclarecimento ou uma maior contextualização para ser totalmente compreendido.

 


Selo: Fake Selo: Fake

Selo: Fake

 

  • Fake - quando não se baseia em fatos comprovados por meio de dados, datas, locais, pessoas envolvidas, fontes oficiais e especialistas.
Veja SP

Vítima é surpreendida por criminosos após desmascarar golpe no WhatsApp

A ousadia de criminosos surpreendeu uma vítima em Teresina nesta terça (24). Os suspeitos tentaram aplicar um golpe pelo WhatsApp, mas foram descobertos pelo usuário do aplicativo de troca de mensagens. Ao G1, a vítima revelou que os homens se passaram por um primo e pediram uma transferência de 2 200 reais. Ao perceberem que a tentativa não deu certo, questionaram o que tinha levantado as suspeitas da vítima — que decidiu não registrar um boletim de ocorrência.

A ação dos criminosos começou com uma ligação de um número de Goiás, com DDD 62. “Um homem ligou dizendo que era um primo meu de Brasília, perguntando se eu estava reconhecendo a voz. Eu falei que tinha alguns primos. Ele pediu para eu dizer o nome e eu falei o de um deles. A partir de então, a pessoa me disse que tinha quebrado o carro na estrada, no Piauí, e pediu para eu fazer uma ligação“, contou.

A história parecia verídica, já que o suposto primo não havia dinheiro algum. Ele apenas requisitou que a vítima ligasse para outro número, do Piauí, que seria de uma oficina mecânica. A intenção seria garantir que um profissional fosse encontrá-lo.

Ele não pediu nada, só que eu fizesse essa ligação, me deu a placa do carro, detalhes da onde estava, disse que era a 20 quilômetros de Amarante. A atuação deles é muito boa. Quando liguei para o outro número, a pessoa já atendeu falando o nome de uma oficina e confirmou a placa do carro“, disse.

O suspeito ainda pediu desculpas por estar incomodando e cada ligação durou cerca de cinco minutos. Dez minutos após a segunda conversa, o golpista com o número de Goiás voltou a fazer contato, dizendo que precisava de dinheiro. “Ele contou que os mecânicos não tinham cartão e que não havia onde sacar dinheiro. Eu já tinha desconfiado de algumas coisas, mas nesse momento eu tive certeza que era golpe“, explicou a vítima.

A primeira desconfiança da vítima? Seu primo não mora mais em Brasília — e o DDD da região é 61, e não 62, como mostrava o número do golpista. Após uma informação desencontrada sobre o seguro do veículo e o pedido de dinheiro, confirmou a suspeita. “Nessa momento eu já estava com o Facebook do meu primo aberto, tinha ligado para a minha mãe e pesquisei no Google a foto usada pelo suposto mecânico no WhatsApp, que não era do local informado“.

A vítima, então, revelou aos golpistas que tinha descoberto a fraude: “Vocês são muito bons no que propõem, viu? Deveriam ganhar esse planejamento todo para ganhar dinheiro honestamente, cara. Mas é muito bem arquitetado, fiquei passado“, escreveu no WhatsApp. “Tem uma galera que deve se dar muito mal devido a má índole de vocês“, finalizou.

A resposta dos criminosos? “Obrigado rapaz. Mas me conta aí, onde foi o erro? Como você descobriu? Onde eu errei? Isso é uma forma de trabalho, infelizmente no momento só tenho isso para sobreviver“.

Oportunidades de emprego oferecidas pela SETRAER/SINE (SECRETARIA DE TRABALHO E RENDA DE CATALÃO)

Empregos do Sine Catalão para o dia 25/07/2018

Oportunidades de emprego oferecidas pela SETRAER/SINE (SECRETARIA DE TRABALHO E RENDA DE CATALÃO)

-Auxiliar de restaurante, com experiência na CTPS, feminino;
-Auxiliar de restaurante, com experiência na CTPS, feminino;
-Encanador predial, com experiência na CTPS, masculino;
-Mecânico de veículos, com experiência na CTPS, masculino;
-Pedreiro de acabamento, com experiência na CTPS, masculino;
-Vendedor de consórcio, com experiência, ambos os sexos;
-Vendedor pracista, com experiência, ambos os sexos, que tenha disponibilidade para fazer viagens.

Obs.: Algumas vagas podem ter sido preenchidas sem aviso prévio. Necessário á apresentação da CTPS, RG e CPF.