Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.      Telefone: (61) 9 9607-4647 

     

CFM atualiza regras de fertilização in vitro para mulheres acima de 50 anos

Conselho Federal de Medicina (CFM) anunciou que agora as mulheres com mais de 50 anos serão liberadas para realizar o tratamento de inseminação artificial sem autorização da entidade. Além delas, as mulheres em relação homoafetiva que desejam ter um filho também poderão ter uma gestação compartilhada, com uma recebendo o óvulo da outra.

Os procedimentos só poderão ser realizados se as pacientes assumirem os riscos juntamente com seus médicos, visto que há grande risco gestacional para a mulher cinquentenária, por exemplo. Ela tem 60% a mais de chances de ter diabetes e pressão alta gestacional, além da probabilidade maior de ter um bebê prematuro. Para as que optarem pela gestação compartilhada, o óvulo de uma das companheiras poderá ser colocado no útero da outra depois de receber o espermatozóide de um doador. A nova resolução constata ainda que apenas as mulheres que já estão em tratamento para engravidar podem doar óvulos, para evitar o mercado de gametas. O Conselho já detectou antes, casos de mulheres saudáveis que doavam seus óvulos em troca de cirurgia plástica, por exemplo.

Essa é a terceira atualização de regras de fertilização in vitro desde 1992, quando a resolução sobre reprodução assistida foi criada pelo CFM. As novas regras passam a valer depois da publicação oficial do órgão, que deve acontecer ainda nesta semana.

Fonte: Globo – "Bem Estar"

Ainda é cedo para falar em hexa, mas Brasil empolga contra o México e vai em busca de mais uma semifinal de Copa

O clima de já ganhou cresceu depois da vitória convincente sobre o México, na melhor partida brasileira na Copa. Na comemoração pelo país, teve o sempre indefectível Olodum na telinha, mas também apareceu sem querer, querendo e com muita astúcia, um Chapolin tupiniquim, que faz fama na emissora rival e que mandou aquele abraço no plim plim.  

Voltando ao jogo. Motivos para a empolgação não faltam. A Seleção tem uma defesa sólida, que, mesmo quando os mexicanos estiveram melhor no início do jogo, impedia que a bola chegasse ao gol de Alisson, o que só foi acontecer no segundo tempo.

Casemiro e Paulinho parecem ter sido feitos um para o outro e dão segurança para que o quarteto mágico possa brilhar. Dessa vez, Philippe Coutinho teve uma participação mais discreta, só que para azar mexicano Neymar e William tiveram atuações de gala. Gabriel Jesus ainda não fez parte da multiplicação de gols, mas Firmino mostrou que segue firme e forte para entrar quando for preciso.

No segundo tempo, a seleção mostrou que é praticamente imbatível, quando quer definir o jogo. Em cinco minutos, o calcanhar de Neymar e a disparada do foguetinho William mandaram para o espaço os simpáticos mexicanos. E reparem que dessa vez Neymar só caiu para marcar de carrinho. Tudo bem que vinte minutos depois, ele caiu de novo, depois de ser pisado por Layun fora de campo e ficou quatro minutos deitado, o que gerou reclamações do técnico mexicano após o jogo.

No segundo gol, já nos acréscimos, outra jogada de Neymar e gol de Firmino. O craque brasileiro ainda desperta ódio e paixão, mas está mais atento, parece ter atingido a melhor forma e deixa no brasileiro aquele gostinho de hexa na boca e é aí, senhoras e senhores, que mora o perigo.

A sensação de que entramos na contagem regressiva só aumentou com as dificuldades que a Bélgica encontrou para vencer o Japão, de virada, por 3 a 2. No segundo tempo mais emocionante da Copa, Haragushi e Inui mostraram o quanto a defesa belga é frágil e os fizeram dois gols, em seis minutos, para desespero dos apostadores de bolão.

A Bélgica acordou e tirou proveito da baixa estatura dos defensores japoneses para empatar com dois gols de cabeça marcados por Vertonghen e Felaini. O jogo caminhava para a prorrogação, quando o imponderável e a ingenuidade dos japoneses permitiram a virada no último minuto.  Em um contra-ataque que começou depois de um escanteio para o Japão, a bola saiu do goleiro Courtois para De Bruyne, passou por Meunier, teve deixadinha de Lukaku até encontrar Chadli, livre, leve e solto para marcar.

Apesar de toda a euforia e de estarmos perto de mais uma semifinal, quem sabe com direito a um chocolate contra os belgas, ainda é cedo para pensar no hexa. Que os exemplos de outros quadrados mágicos como o de 82, que encantou e não levou, ou o de 2006, que chegou como favorito e parou na França do Zidane, não sejam esquecidos.

A terça-feira vai definir o último confronto das quartas de final. Será que só vai ter gol no segundo tempo? Façam suas apostas!

 

Por que a velocidade da Terra nesta sexta será 7.000 km/h mais lenta que em janeiro

Em 6 de julho, o planeta estará em seu ponto mais distante do Sol e na sua velocidade de translação mais baixa - 103.536 km/h; mas como isso afeta o planeta?
Nesse dia, o planeta atingirá seu afélio, palavra de origem grega que significa "longe do Sol".

"O afélio é o ponto da órbita ao redor do Sol em que a Terra fica mais longe do astro e o periélio (que quer dizer 'perto do Sol') é justamente o oposto, o ponto da órbita em que a Terra fica mais próxima ao astro", disse à BBC Mundo Nayra Rodríguez Eugenio, astrofísica e professora do Instituto de Astrofísica das Canarias, em Tenerife, na Espanha.
"No periélio, o Sol está a aproximadamente 147 milhões de quilômetros da Terra; no afélio está a uns 152 milhões de quilômetros do Sol."
A distância varia porque a órbita da Terra ao redor do Sol não é uma circunferência perfeita, nosso planeta descreve uma trajetória elíptica.

Velocidade

O afélio ocorre a cada ano entre 2 e 7 de julho. O periélio foi no dia 3 de janeiro. A Terra alcançará sua maior distância do Sol no dia 6 de julho às 17h46 GMT (14h46 no horário de Brasília), quando o planeta e seu astro estarão a 152.095.566 de quilômetros um do outro. A maior distância se traduz numa velocidade de órbita menor.

Bronca de Tite

Fifa avalia que arbitragem de Brasil x Suíça foi correta

Equipe do VAR reviu o lance do gol suíço durante o jogo e entendeu que não houve falta em Miranda.

 

Fifa avaliou positivamente a arbitragem do mexicano Cesar Ramos na estreia do Brasil na Copa do Mundo. A seleção brasileira reclamou muito de um empurrão do suíço Zuber em Miranda no lance que gerou o gol de empate da Suíça.

A equipe do VAR analisa constantemente todos os lances do jogo – o que chamam de checagem silenciosa. O lance do gol foi revisto pelos árbitros que atuaram no jogo entre Brasil x Suíça e ninguém achou que foi falta. Todos os lances são avaliados em tempo real, durante o jogo. Não há checagem no intervalo e nem após as partidas. A ideia é que o árbitro possa rever eventuais decisões equivocadas a tempo, para que erros não tenham influência sobre o resultado da partida. A entidade não vai comentar oficialmente a atuação de cada árbitro e nem eventuais reclamações de seleções. A avaliação da Fifa é que o VAR tem funcionado corretamente. Além do gol suíço, o jogo ainda reservou outra polêmica. O lance aconteceu aos 29 minutos do segundo tempo, quando Gabriel Jesus teria sido agarrado dentro da área e o juiz deixou o jogo seguir