Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.      Telefone: (61) 9 9607-4647 

     
Manifestantes participam de protesto em apoio a movimento de caminhoneiros em Canoas 25/05/2018 REUTERS/Diego Vara

Datafolha: 87% dos brasileiros apoiam greve de caminhoneiros

O apoio dos brasileiros ao movimento dos caminhoneiros é de 87 por cento, e mais da metade da população defende que a paralisação deve continuar, indicou pesquisa do instituto Datafolha publicada pelo jornal Folha de S.Paulo nesta quarta-feira.

Segundo o levantamento, apenas 10 por cento das pessoas entrevistas são contrárias ao movimento, que entrou nesta quarta-feira no 10º dia enfraquecido após um acordo fechado com o governo, que atendeu às principais demandas da categoria, como a redução do preço do óleo diesel.

Mesmo após o acordo, 56 por cento da população acredita que a paralisação deve continuar, frente a 42 por cento que defendem o fim do movimento, indicou o levantamento.

A pesquisa apontou também que 87 por cento dos entrevistados são contra o possível aumento de impostos e corte de gastos federais para atender às reivindicações dos caminhoneiros. Enquanto isso, 10 por cento dos entrevistados apoiam as medidas.

Declararam-se indiferentes ao movimento 2 por cento dos questionados, e 1 por cento não soube opinar. A margem de erro da pesquisa, que entrevistou 1.500 pessoas, é de 3 pontos para mais ou para menos.

Crise de abastecimento afeta o país

Senado aprova redução de impostos sobre o diesel

O Senado aprovou o projeto que zera até o fim do ano as alíquotas do PIS/Cofins sobre o diesel. A isenção, no entanto, deve ser vetada pelo presidente Michel Temer .

Caminhoneiros protestam na Rodovia Presidente Dutra

Greve dos caminhoneiros enfraquece

O décimo dia de greve dos caminhoneiros ainda contou com 616 "interrupções" em rodovias , de acordo com o chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, Ademir Sobrinho. O desabastecimento de combustível também gerou um aumento das reclamações de consumidores com relação a cobranças abusivas em postos de gasolina.

Além dos caminhoneiros, os petroleiros também anunciaram uma paralisação que deve durar 72 horas a partir desta quarta (30). O movimento pode ter duração indeterminada após uma assembleia no dia 12 de junho.