Para reflexão e apreciação

Para reflexão e apreciação

Entre as atribuições dos formadores de opinião, está a tarefa de indicar caminhos, sugerir leituras, refletir
sobre questões importantes e muitas vezes polêmicas. Os formadores de opinião são pessoas que têm o
privilégio de terem sua opinião considerada como algo legal, séria, certa. Ideias que podem ser seguidas. Na
maioria das vezes. Me considero uma pessoa formadora de opinião. Não que o que eu penso é certo e deve
ser seguido, mas porque tive acesso ao estudo e penso, logo existo. E existo para centenas de alunos. E
dessas centenas de ouvidos, alguns podem considerar algumas opiniões minhas. Por isso, a cada dia que
passa, tenho algumas recomendações de livros, de filmes, de música.
Hoje gostaria de recomendar aos leitores um filme. A Forma da Água. Há o livro também, mas este ainda tive
oportunidade de ler. Assim, vamos à película. Recomendo esta produção porque à primeira vista, a história
me encantou. Mas importante, contudo, é cada pedacinho contado da história. Você se depara com uma
mulher que tem deficiência auditiva, portanto não fala, mas está totalmente inserida no mundo do trabalho,
durante a guerra fria.
Ela tem um amigo que é um artista convivendo com o fracasso profissional ao mesmo tempo que tenta
conviver bem com sua homoafetividade. Eles vivem no mesmo apartamento e são solitários e solidários. Ela
se comunica pela linguagem de sinais e se utiliza desta para se comunicar com um ser que foi capturado na
Amazônia. O governo acredita que pode manipular essa criatura em seu benefício. Os cientistas especulam
ser ele uma divindade.
A história de amor entre estes dois é belíssima. Simples, forte, definitiva. Do tipo que exige uma mudança e
uma tomada de posição. Assim, recomendo o filme e convido a mim também à leitura do livro. Refletir sobre
a aceitação da homoafetividade, a inserção de pessoas com deficiências no mundo do trabalho, a violência
dos testes em laboratórios em nome da ciência, a força dos sentimentos, da amizade e especialmente a
presença do diferente e do fantástico em nossa vida.
Aguardo comentários.

Francimar Bezerra de Almeida
Professora da Rede Municipal
Autora do Sistema Pomares de Ensino
Presidente da Academia Morrinhense de Letras.

Compartilhar

Deixe uma resposta