SOMOS UM SÓ POVO…MAS SÓ OS QUE SÃO IGUAIS EM PENSAMENTO, PALAVRAS E ATOS.

SOMOS UM SÓ POVO…MAS SÓ OS QUE SÃO IGUAIS EM PENSAMENTO, PALAVRAS E ATOS.
Imagem disponível em: https://formacao.cancaonova.com/igreja/santos/maria-madalena-encontra-a-si-mesma-ao-encontrar-jesus/

    Antes de começar, quero identificar meu registro de fé. Católica, batizada, confirmada, casada na igreja, (divorciada perante a lei do homens). Agora quero atualizar meu registro de vivência da religiosidade. Sou cristã. Somente. São cristãos os católicos, os protestantes históricos, os pentecostais e neo pentecostais, alguns espiritualistas que seguem a doutrina cristã e assim por diante. Enfim, segue sendo cristão aquele que tem Jesus como base de sua fé.
   Uma das características do discurso cristão é seguir a palavra de Jesus. Mas me parece que uma multidão de cristãos está esquecendo que Jesus se sentou com pagãos, com pecadores, com prostitutas, com homens sem fé…e então não entendo como se pode falar em  universal. Somos todos um? Somos irmãos quando não aceitamos o jeito do outro ser???
    Vejo um grande abismo entre as orações, os hinos, o texto litúrgico, da prática de ataques a outros cristãos que refletem a mensagem e celebram o rito de forma diferente. Quando o cristianismo nasceu, no seio do judaísmo, por inspiração do jovem Nazareno, é porque a religião estava corrompida. Quando ortodoxos e protestantes surgiram do seio do cristianismo é porque o mesmo já não atendia o anseio de todos.
      A Campanha da Fraternidade Ecumênica oficialmente iniciada hoje, quarta, 17/02 está dando o que falar. O tema diz Fraternidade e Diálogo. E participam desta campanha várias igrejas cristãs. O ecumenismo é algo muito difícil de se construir. Porque você quer celebrar com o outro, mas não como o outro. 
   Isto posto, como cristã, estudiosa privilegiada em conhecer um pouco de dezenas de religiões diferentes, considero importante a Campanha da Fraternidade Ecumênica essencial para minimizar os preconceitos, as discriminações, os repúdios e que todos possam dar  a mão ao Cristo, independentemente da roupa que veste, como canta ao Senhor, se está levando seu companheiro homoafetivo, se precisou fazer um aborto porque o feto estava com graves deformações  e outros casos tantos.
    Que não se cometa a heresia de cantar hinos e proclamar textos: Somos um só povo, somos todos um… e depois na rede social expurgar o Outro, que pensa, age e sente de forma diferente.  

Francimar Bezerra
Jornalista, Professora, Escritora.
 

 

 

Compartilhar

Deixe uma resposta